Faltam...

Daisypath Happy Birthday tickers

30 dezembro 2013

Só para dizer

Feliz 2014

Pronto. Já disse. Pode ser pouco, mas desejo-o com o coração.

22 dezembro 2013

Pensamento do dia (27)

A minha memória é péssima para aquilo que devia guardar e óptima para aquilo que deveria esquecer....

21 dezembro 2013

Feliz Natal

Só mesmo para desejar um



(até mesmo para quem não vai ler esta mensagem)

17 dezembro 2013

Pensamento do Dia (26)

"Tu não foste feita para relações platónicas"

Pode ter sido para mim ou para outra pessoa. Nunca vão saber. Muh muah muah (riso maléfico)

Não és tu, sou eu!

Alguém me ensinou que "se todos os outros pensam de forma diferente de ti, provavelmente estás errada".
Por isso, desculpem, a culpa não é vossa, é minha.

Devassa velha


Percebemos que algo está mal com a nossa mente quando lemos Devassa Velha na placa que indica Devesa Velha


10 dezembro 2013

Moda

Li hoje no "Notícias ao Minuto" que, e estou a citar, "Os tempos actuais ditam, muitas vezes, que a moda seja casual e prática. Mas recuperar o estilo glamoroso de outros tempos é possível. Veja a selecção de 10 peças vintage que, segundo o Huffington Post, merecem voltar."

Não posso concordar mais. Adoro os chapéus, as luvas, os vestidos dos anos 50 e 60.

Momentos

Às vezes parece que pára, outras que voa. Umas vezes queríamos pará-lo, outras ir à velocidade máxima. O tempo corre sempre ao mesmo ritmo, independentemente do que parece e dos nossos desejos.

Nunca conseguimos agarrar aqueles momentos que gostaríamos de guardar para sempre. Para isso dependemos exclusivamente da nossa memória, da nossa capacidade de recriar mentalmente aquele pedacinho de tempo. Na realidade, gostava de um "pensatório" como nos filmes do Harry Potter, em que podia mergulhar sempre que quisesse naquele momento.

Como a minha memória prega-me muitas vezes partidas e o "pensatório" é pura fantasia, só me resta repetir os momentos e aproveitar as diferenças. Porque nunca há dois momentos iguais.

06 dezembro 2013

05 dezembro 2013

Fazer limonada com os limões que a vida nos dá

Ultimamente parece que passo muito tempo no carro, de um lado para o outro.
Ao menos aproveito para colocar a banda sonora em dia.
Graças aos céus pela música.

29 novembro 2013

Sou um cão muito mau

Diretamente do baú.... obrigadinha, Carlos!

video


26 novembro 2013

Inverno

Eu sei que o Inverno é muito importante e que também tem coisas que eu adoro: ligar a lareira, o enroscar na manta, o Natal, as castanhas (embora tecnicamente as castanhas sejam do Outono), os pijamas fofinhos, e outras coisas boas.
Mas... mas... MAS! eu não gosto de frio. não gosto de andar com muita, no sentido de número de peças, roupa, não gosto de (não) sentir o nariz gelado. De me custar ainda mais para sair da cama, dos dias curtos, das estradas perigosas....

Ainda falta muito para o calor ou vou ter que migrar para paragens mais quentes, hum?!

25 novembro 2013

A Madrinha do Noivo - Conclusão

O fim do que aqui se começou... pelo meio o enredo de uma tentativa literária...

Na sala de estar, e ao contrário do que Helena dissera, não estava ninguém. Contrariada, Cristina retrocedeu. Ia sair quando viu, recortada entre as ombreiras da porta que dava para o terraço, uma figura masculina. A figura alta e varonil de Joe Bright!...
O coração de Cristina pareceu-lhe parar no peito.
- Olá, Cristina - disse ele, avançando para o meio da sala, muito devagar.
- Olá...onde estão os outros?
- Não sei. Quando entrei, não estava aqui ninguém.
- Coisa estranha...
Joe observou-a em silêncio, durante uns segundos. Depois perguntou:
- Importas-te muito que eles não estejam?
- Porque fazes essa pergunta, Joe?
- É que, se quiseres, eu saio e só voltarei quando eles vierem...
- Oh, não! - respondeu Cristina, impulsivamente e com voz vibrante.
Joe acercou-se e estendeu-lhe a mão.
- Nesse caso, fazemos as pazes?
- Nunca estive zangada contigo...
- Mas trataste-me muito mal. Havias de poder ver o meu coração para acreditares em como tudo o que fazes o pode afectar.
- Isso... isso seria dantes... - murmurou ela.
- Dantes e agora. Significas muito para mim, Cristina.
- A seguir à Sónia...
- Deixa a Sónia em paz! Não é para aqui chamada!
- Mas não vais casar com ela?
- Nunca me passou isso pela cabeça! Se fosses melhor observadora terias visto que olhava para o outro lado quando estávamos juntos.
- Para onde olhavas?
- Para ti!
- Para... para mim?
- Sim, para ti. Mas tu estavas tão irritada comigo que nem disso te apercebeste. Por vezes penso que me tens ódio.
- Nunca te tive ódio, Joe.
- Então finges muito bem...
- A quem odeio é à Sónia, por ser uma descarada!
- Oh, pobre rapariga! Que mal te fez?
- Não te largava um só minuto! E tu parecias estar no céu ao lado dela.
- Fingia, Cristina! Acredita que só pensava em ti.
- Oh, não me venhas com mentiras!
- É verdade, Cristina, e tu sabes.
- Não sei nada! Se é assim, porque razão me deixaste vir sozinha e ficaste com ela?
- Tinha de ser, Cristina. Queria que ficasses sozinha para poderes ouvir, à vontade, o teu coração.
- Eu... eu para que tinha de fazer isso?
- Porque gostas de mim. E a única maneira de descobrires isso era sentires saudades.
- Joe, estás a levar as tuas deduções longe de mais...
- Penso leva-las muito mais longe, Cristina.
- Até onde?
- Até ao altar.
- Joe...
- Cristina...
- Queres que te diga uma coisa, Joe?
- Diz...
- Por mim, podes levar essas deduções até onde quiseres...


Escrito em Abril 1998.

So far away

Ando ocupada. Muito.
Completamente absorvida por um trabalho que parece que, quanto mais faço, mais se acumula.
Não tenho tempo para nada, nem para mim, nem para os outros.
Nem para ler(!), muito menos para escrever.
Tenho saudades de fazer coisas que gosto, de estar verdadeiramente com quem gosto. De vez em quando isso acontece, mas é tão esporádico que nem dá para aproveitar realmente.
Tenho uma lista interminável de coisas para fazer. Pessoais e profissionais. E o tempo não chega. Simplesmente não chega.
E quando estou em casa a trabalhar profissionalmente penso que deveria estar a conviver com a família. E quando estou a conviver com a família penso que deveria estar a trabalhar.
Quero muito, muito, muito, muito,muito, mas mesmo muito que chegue a semana de Natal (pedi uns dias de férias) mas sei que vão passar a voar e não vou conseguir fazer nem metade das coisas que estou a programar.

Um dia de cada vez, vai ser o meu mantra. Um dia de cada vez.

28 outubro 2013

27 outubro 2013

22 outubro 2013

Dire Straits - On Every Street

video


There's gotta be a record of you someplace
You gotta be on somebody's books
The lowdown - a picture of your face
Your injured looks
The sacred and profane
The pleasure and the pain
Somewhere your fingerprints remain concrete
And it's your face I'm looking for on every street

A ladykiller - regulation tattoo
Silver spurs on his heels
Says - what can I tell you, as I'm standing next to you
She threw herself under my wheels
Oh it's a dangerous road
And a hazardous load
And the fireworks over liberty explode in the heat
And it's your face I'm looking for on every street

A three-chord symphony crashes into space
The moon is hanging upside down
I don't know why it is I'm still on the case
It's a ravenous town
And you still refuse to be traced
Seems to me such a waste
And every victory has a taste that's bittersweet
And it's your face I'm looking for on every street


Cansaço

Ando tão cansada que já acordo com dores de cabeça e deito-me estourada.
Isto já vem a acontecer há umas semanas.
Tenho mesmo que parar. E dormir. E relaxar.
Antes que seja tarde.

17 outubro 2013

09 outubro 2013

Trocadilho demasiado fácil


Palavras para quê? Na Estrada N222, a caminho de Castelo de Paiva...

05 outubro 2013

Pensamento do Dia (25)

Se a beleza fosse tudo numa relação, não havia gente bonita a separar-se...

04 outubro 2013

A Madrinha do Noivo

Quando acordou, no dia seguinte, já não sentia frio algum. Pelo contrario, transpirava abundantemente. Tinha sobre ele uma verdadeira montanha de cobertores, que Cristina tinha posto sobre a cama durante a noite.
Maquinalmente, levou a mão à testa. Deu um salto na cama. A pele ardia-lhe. Devia estar cheio de febre!
- Cristina! - chamou, assustado. - Cristina!
- Já vou, Joe! - respondeu a jovem, do quarto ao lado.
Surgiu na porta, um minuto depois. Vestida como no dia anterior, muito bem penteada. Fresca e bonita como uma manhã de Primavera...
Pôs a mão na testa do rapaz e perguntou:
- Como te sentes, Joe? Creio que ainda tens febre.
- “Ainda”? - estranhou ele. - Mas quando é que eu tive febre?
- Durante a noite. Até deliraste...
O rapaz sentou-se na cama, alarmado.
- Que... que disse ao delirar?
- Nada  de especial. - Cristina corou, ao mentir-lhe. - Falavas com a tua mãe.
- Mais nada?
- Não, homem. Podes ficar tranquilo.
Não podia dizer-lhe que Joe falara no seu nome. Durante toda a noite, dizendo coisas que a faziam corar, só de pensar nelas...
- Vou buscar-te leite e umas bolachas - disse, querendo sair daquele quarto. - Também deves precisar de umas aspirinas.
- Ora, não preciso de aspirina nenhuma! - protestou o americano. - O que me faz falta é o ar livre.
- Sairás mais tarde, quando te passar a febre.
- Não posso consentir que trabalhes tanto por minha causa, Cristina!
A jovem pôs as mãos nas ancas e sorriu.
- De que trabalho falas, Joe? Não vês que tenho tudo feito na despensa? Basta-me escolher o que quero!
- Cristina, só sei dar-te maçadas... como poderei pagar-te tudo isto?
- Estando sossegado na cama.
Joe abanou a cabeça.
- Apesar de tudo, não me sinto nada mal nesta situação, percebes? - murmurou.
Perturbada, Cristina saiu. Quando regressou, com a  bandeja do pequeno almoço, viu que Joe tinha saído da cama. Perguntou-lhe asperamente:
- Joe, que disparate é este?
- Não sirvo para estar na cama, Cristina. Manda-me ficar na cadeira, junto ao fogo, obedecer-te-ei. Na cama, não!
- Mas estás com febre...
- Eu ponho esta manta sobre os ombros. - Joe pegou na manta de viagem que a jovem lhe dera. - Começo a gostar dela, sabes? Terás que ma oferecer quando eu voltar para a América.
- É tua, Joe. Ofereço-ta. Mas promete-me que serás um doente obediente.
- Está bem, Cristina. Lembrar-me-ei sempre de ti, quando olhar para esta manta...
- Até casares. Depois, a tua mulher atirá-la-á ao fogo, com ciúmes.
- Não fará isso, pois nunca lhe contarei a sua história.
Os olhos de ambos encontraram-se, maquinalmente. Mas havia um tal fogo nas pupilas de Joe que Cristina teve que baixar o rosto, precipitadamente.
- Cristina... - disse ele, com voz rouca. - Creio que... que estou a apaixonar-me por ti!
- Ora, não digas disparates! - Cristina tentou ironizar, enquanto pousava a bandeja sobre a mesa.
- É verdade. Sinto uma coisa estranha quando estou na tua presença.
- É da febre.
- Não é nada da febre, Cristina. Se te disser que me aperta o coração quando penso que terei de partir para a América e deixar-te...
Cristina ficou muito séria.
- Joe, não digas disparates ou eu zango-me - ameaçou.
- Não são disparates, Cristina. Começo a gostar de ti.
A rapariga avançou para a porta. Antes de sair disse, com ar sério:
- Será melhor não falares mais nisso, para que continue a correr tudo bem entre nós.
- Está bem, Cristina. Se é isso que queres...


Escrito em Abril 1998.

03 outubro 2013

Ai se eu te pego

Sabem aquela música do Michel Teló, "Ai Se Eu Te Pego"? Nunca lhe tinha achado piada nenhuma... até hoje. :)

02 outubro 2013

Saltos

Andar de saltos altos nos nossos passeios pode ser complicado mas atravessar a rua é uma aventura.

I blame it on my A.D.D.

Acordo, já em cima da hora.
Olho pela janela e o céu continua cinzento.
Olho para o armário e não gosto de nada, sei lá o que vou vestir.
Os sapatos que pensei levar são demasiado abertos para o caso de chover. Calço outros de que não gosto tanto mas mais apropriados.
Na estrada, um camião vai devagar, muito devagar, sem hipóteses de ultrapassagem.
À entrada do parque de estacionamento do emprego, um carro está parado porque está na treta e não tem pressa de sair, impedindo a minha entrada.

No momento de sair, começa a dar esta música. Ponho o som mais alto e já saio com um sorriso.
Ah pois.

video


AWOLNATION  - SAIL


01 outubro 2013

Será que ele próprio acredita mesmo no que diz?

"Mulheres que conduzem geram crianças com problemas de saúde

Um sheik da Arábia Saudita disse que as mulheres que conduzem prejudicam os seus ovários e a região pélvica, gerando bebés com vários problemas de saúde. De acordo com as leis do país, as mulheres são proibidas de conduzir.

Salah al-Luhaydan afirmou que conduzir carros prejudica não só a saúde das mulheres, como também tem um impacto psicológico sobre elas.

“A psicologia e a medicina estudaram a questão e concluíram que conduzir afecta automaticamente os ovários e prejudica a pélvis. Por isso, as crianças nascem com problemas clínicos de vários graus”, disse o sheik."

em Folha de Maputo

Será mesmo verdade?!?!

30 setembro 2013

Outono

Não sou uma pessoa que goste do Outono.
Não sei o que vestir, a roupa de verão é fresca, a de Inverno, demasiado quente.
A chuva cai mas sinto-me desconfortável de botas.
Detesto começar a arrumar as roupas mais frescas e as sandálias.

Ainda falta muito para o Inverno?

25 setembro 2013

Ando tão cansada

Que até vou pensando em coisas fixes para escrever mas depois não me apetece.

21 setembro 2013

CONSELHOS AOS QUE NADA FAZEM

CONSELHOS AOS QUE NADA FAZEM:

1. Nunca o confessar.
2. Esperar pacientemente uma ordem e nunca a provocar.
3. Não chatear os que trabalham a valer e, principalmente, não lhes causar inveja.
4. Adoptar uma posição de repouso que dê a quem vê uma sensação de trabalho.
5. Permanecer  descontraído e suportar com fadiga aparente toda a inactividade por mais prolongada que seja.
6. Gostar do trabalho bem feito e por isso não hesitar em deixa-lo ás pessoas mais qualificadas.
7.Pode-se gostar do trabalho e preferir o repouso.
8. Não sofrer nenhum complexo de se apresentar ao tesoureiro após um mês sem trabalho.
9.Há muito mais acidentes de trabalho do que de repouso.
10. O trabalho gasta, o repouso raramente. Façamos economia.


Conclusão: O trabalho é uma coisa bela. Não sejas egoísta, deixa-o para os teus amigos....



20 setembro 2013

Hábitos sexuais (retirado do Baú)


Cada vez gosto mais deste Papa


Na sua primeira entrevista de fundo após seis meses como Papa, Francisco declara que a Igreja Católica se tornou “obcecada” com os temas do aborto, do casamento homossexual e da contracepção.


“Não podemos concentrar-nos só nestes temas. Não tenho falado muito sobre estes temas e por vezes isso tem-me sido apontado. Mas quando se fala destes assuntos, deve ser no devido contexto. Sabemos qual é a opinião da Igreja e eu sou um filho da Igreja, mas não é preciso continuarmos a falar disto assim.”

Estas palavras do Papa Francisco foram publicadas no jornal jesuíta italiano La Civiltà Cattolica e resultam de uma longa entrevista, de 29 páginas, realizada nos dias 19, 23 e 29 de Agosto, explica o site Vatican Insider, ligado ao jornal italiano La Stampa. Nela, o argentino Jorge Mario Bergoglio traça as prioridades da sua acção pastoral e revela alguns pormenores sobre si próprio. A entrevista, que é publicada em inglês pela revista America, dos jesuítas norte-americanos, foi revista pessoalmente pelo Papa, adianta o New York Times.

“Temos de encontrar um novo equilíbrio, se não o edifício moral da Igreja pode cair como um palácio de cartas”, disse Francisco. Os ministros da Igreja devem ter como primeira missão levar uma palavra de “misericórdia”, a mensagem de salvação de Jesus Cristo, sublinhou. “Proclamar o amor redentor de Deus é um dever prioritário, antes do dever moral e religioso. Mas hoje parece que muitas vezes acontece o contrário”, afirmou.

Deus sempre presente
O Papa falou abertamente da questão da homossexualidade – que tanta violência e polémica tem causado pelo mundo fora, por vezes incentivada pela própria Igreja Católica. Veja-se o caso da legalização do casamento gay em França, em que os bispos franceses e organizações católicas foram motores da contestação.

“Quando estava em Buenos Aires, recebi cartas de pessoas homossexuais que estavam ‘socialmente feridas’ porque me diziam que a Igreja sempre os tinha rejeitado. Mas essa não é a intenção da Igreja. No avião de regresso do Rio de Janeiro, disse: 'Se um gay procurar Deus, quem sou eu para o julgar.'” Reitera o Catecismo da Igreja Católica – que diz que as pessoas homossexuais são chamadas à castidade –, mas sublinha o primado da liberdade: “Deus deu-nos a liberdade quando nos criou: não é possível a interferência espiritual na vida pessoal de outra pessoa.”

As reformas não se fazem num abrir e fechar de olhos, sublinha. “Muitos pensam que a mudança e as reformas podem acontecer num período muito curto. Eu acredito que leva tempo a construir as fundações de uma mudança real e eficaz. E esta é a altura do discernimento. Às vezes o discernimento leva-nos a agir no imediato, quando inicialmente íamos deixar uma acção para mais tarde. Isto é o que me tem acontecido nos últimos meses”, confessou o Papa Francisco.

Não fala com apreço dos tradicionalistas. “A visão dos que procuram soluções disciplinares, que dão excessiva importância a resguardar a doutrina e estão obcecados em trazer de volta um passado que já lá vai é estática e regressiva”, afirma. A certeza que o orienta na sua acção, a sua “certeza dogmática”, é que “Deus está presente na vida de todas as pessoas, mesmo se essa vida tiver sido destruída por maus hábitos, por drogas ou seja o que for”.

Retirado integralmente do Jornal Público 19/9/2013

16 setembro 2013

Escuridão e claridade

 Escuridão e claridade

O ódio substitui o amor
O mundo ficou mais triste
A beleza perdeu a cor
A alegria já não existe.

O silencio deste momento
Quase chega ao infinito
Não consigo tirar-te do pensamento
Por isso eu choro, eu grito!

A minha alma é uma treva só
A luz, nascendo, logo se apaga
O medo da escuridão tira-me a voz.

A noite com toda a sua intensidade
Tudo consegue e com tudo acaba
E amaldiçoa a bela claridade!

Setembro 1994

13 setembro 2013

Dia Internacional do Chocolate

Segundo a Vanda Miranda, hoje é o Dia Internacional do Chocolate.
Procurei e não me apareceu nada. Mas que se lixe, um motivo para comer chocolate é sempre bom, nem que seja para aplacar a consciência.


Sexta-feira 13


12 setembro 2013

Lady na mesa, louca na cama

Este post poderia ser sobre mim. E é. Mas não é sobre eu ser ou não uma lady na mesa e uma louca na cama.
É sobre os 4 heróis das Manhãs da Comercial que resolveram partilhar a versão do Bruno Nogueira e da Manuela Azevedo da música do Marco Paulo, Taras e Manias, que será cantada (?) no "Deixem o Pimba em Paz"


Ora, se eu acho bem que os espectáculos portugueses sejam divulgados, já não gosto tanto que a porcaria da música se tenha entranhado e agora não pare de a ouvir dentro na minha cabeça.

"E mexe, remexe se encosta, se enrosca
Se abre se mostra pra mim
Me agarra, me morde, me arranha,
Não mude que eu quero você sempre assim"

11 setembro 2013

Ainda falta muito?

Só para saber....

11/9

Será possível que já se tenham passado 12 anos desde o ataque às Torres Gémeas e continue-se a falar disso? A verdade é que o acontecimento é lembrado porque foi nos EUA e toda a comunicação falou disso durante meses.

Mas alguém fala do que aconteceu às pessoas - e muitas igualmente inocentes às que tombaram no ataque - que morreram na saga "justiceira" perpetrada aos países que de uma forma directa ou indirecta vão contra os interesses americanos?

Mas alguém fala das pessoas (e são tantas) que morrem no Mundo por causa da guerra, da fome, das doenças?

Pois.....

10 setembro 2013

Cheating...

Imagem retirada de http://www.someecards.com

Facebook

Na semana passada, decidi fazer uma dieta de Facebook, que é como quem diz, passar duas semanas sem lá ir. Já passou uma.
Gosto mais da blogsfera do que do Facebook. Mas admito que tenho saudades de ler as fofocas lá, embora saiba que teria mais saudades de alguns blogues se parasse durante uma semana.



09 setembro 2013

Alguém me explique...

... porque é que alguns vídeos musicais do YouTube têm N comentários... e nenhum deles sobre a música, o(s) artista(s) ou sobre o vídeo?

Nem todos os finais podem ser felizes

"Era uma vez uma adolescente de 14 anos que podia ser qualquer outra adolescente. Mas não era. Ela não gostava das músicas que as suas amigas gostavam, não gostava dos rapazes da sua idade. Sentia-se muitas vezes deslocada. Não que isso fosse estranho durante a adolescência, mas cada um sente de uma forma diferente.

Foi então que ele apareceu. E apesar de no início ela não lhe achar piada nenhuma - ele tinha 19 anos, comportava-se como tivesse a idade dela - mas com a insistência dele foi-se aproximando. E um dia, depois de uma festa da escola, ele beijou-a. Ela ficou surpreendida e quando ele a largou, ela simplesmente virou-lhe costas, deixando-o sem saber o que fazer.
No dia seguinte, foi espera-la a casa para a acompanhar à escola e esclarecer. Disse que gostava mesmo dela e que já não sabia o que fazer para namorar com ela. Que o beijo lhe tinha tirado o sono e que ela era tudo o que ele queria, mesmo com  aquela diferença de idade. E foi assim que ela não lhe resistiu mais e
começaram um namoro que tinha tudo para dar certo.

Até um dia em que houve uma festa. Ele foi, mas ela não. Ele voltou diferente e ela reparou. Ela perguntou e ele confessou: tinha estado com uma miúda na dita festa.
Ela não gritou, não chorou, não fez uma cena. Ela, que era sempre tão emocional, estava tão calma como ele nunca a tinha visto. Não podia ser bom sinal. E não foi. Ela simplesmente disse-lhe "então fica com ela. Comigo não ficas mais." Foi-se embora e nunca mais lhe falou. Cruzaram-se várias vezes, ele tentou falar com ela, ela nunca deixou. Entretanto ele foi para a faculdade e ela continuou na escola.

Vários anos passaram. Foram precisos mais de três anos para voltar a confiar os sentimentos a alguém. E foi feliz. Mas teve que escolher entre o namoro e a universidade e ela nem pensou duas vezes: fez as malas e foi para o ensino superior.

Cinco anos depois recebeu um telefonema: era ele. Disse-lhe que nunca a tinha esquecido e que precisava dela. Que tinha feito muitas escolhas erradas e que agora queria voltar ao caminho certo, mas precisava dela. Que se matava se ela não o quisesse de volta.
Ela telefonou então à mãe dele e perguntou-lhe o que passava: ficou a saber que se tinha metido nas drogas, companhias duvidosas, que tinha perdido o emprego e que andava obcecado com ela porque achava que tudo lhe tinha corrido mal desde que tinha terminado o namoro.

Ela falou com ele. Disse-lhe que o ajudava de todas as formas mas não poderia voltar para ele. Ele disse que era tudo ou nada. Dois dias depois matou-se. Ela nunca se perdoou."

O dia perfeito seria


08 setembro 2013

Ódio

"Não, não te odeio, não odeio o amor,
Odeio-me a mim próprio por te amar;
Não odeio as flores que emanam o teu odor,
Odeio-me a mim próprio por as cheirar.

Não odeio a chuva que acaricia o teu rosto,
Odeio-me a mim próprio por a querer ser;
Não odeio o mel ciumento que copiou o teu gosto,
Odeio-me a mim próprio por, da tua boca, o querer beber.

Não odeio os teus olhos que me cegam de amor
Odeio-me a mim próprio por neles olhar
Não odeio os teus lábios de fogo sua cor
Odeio-me a mim próprio por tanto os querer beijar.

Mas de que vale eu odiar os meus sentimentos
Se sempre que te vejo o ódio se alia à paixão,
De que vale eu tentar afastar-te de meus pensamentos
Se apenas vive para ti o meu despedaçado coração."

Este poema não é meu, nem sei quem é o autor. Foi uma das poesias encontradas nas minhas agendas.

Hello Kitty

Não sou fã da gatinha, mas tolero.
Não tenho nada dela,mas já comprei várias coisas para várias meninas pequeninas da HK (não confundir com Hell'S Kitchen).
Mas hoje vi o expoente da loucura: uma mulher de 40 e muitos, com uma Hello Kitty tatuada no anteraço direito, ainda por cima era um desenho mal feito.
Só pensei "A sério?!

06 setembro 2013

Carta aos condóminos


(Atenção, eu não sou a destinatária da carta, juro!)

03 setembro 2013

Sei que estou a bater no ceguinho mas não consigo parar

E por esse motivo o Franquia continua.

30 agosto 2013

Velha

Reparei que todos os blogues que leio (continuo a preferir a bloglosfera ao facebook) são de malta jovem e solteira.
Sinto-me velha.

29 agosto 2013

Lana del Rey - Ride

Em modo repeat, claro.
Embora as músicas da menina me deixem sentimentos contraditórios (às vezes gosto, outras nem por isso, apesar de ser a mesma música) esta está a entranhar-se.
Senhoras e senhoras, Lana del Rey!

video

A vida não é um livro

A vida são vários livros. Uns com mais história, outros com menos. E tal como nos livros, um dia aquela história acaba. Algumas vezes temos pena de o encerrar, mas por mais que nos custe, acabou, está acabado. Até podemos voltar a ler alguns capítulos, mas não é a mesma coisa.
Mas se a história for mesmo boa, se ela nos tiver marcado, vamos-nos lembrar dela para sempre.

28 agosto 2013

Pensamento do dia (24)

As pessoas cada vez procrastinam a procriação.

Paraíso


Ando a OESTE do Paraíso.Nem nem na orientação geográfica acerto!

21 agosto 2013

Pensamento do dia (23)

Se eu ganhasse tantos euros como a minha casa ganha pó, o euromilhões era como amendoim para mim.

18 agosto 2013

Vesperal

Não gosto de Miguel Torga devido a "traumas" adolescentes, mas adorei este poema:


E, contudo, é bonito
O entardecer
A luz poente cai do céu vazio
Sobre o tecto macio
Da ramgem
E fica derramada em cada folha.
Imóvel, a paisagem
Parece adormecida
Nos olhos de quem olha.
A brisa leva o tempo
Sem destino.
E o rumor citadino
Ondula nos ouvidos
Distraídos
Dos que vão pelas ruas caminhando
Devagar
E como que sonhando,
Sem sonhar...
                             

16 agosto 2013

Triste destino



Pobre Moo.

15 agosto 2013

Hoje é um desses dias.

Já muitas vezes aqui escrevi que adoro livros e música.
Mas há dias em que gostava não sentir tanto as palavras e os sons.
Hoje é um desses dias.

14 agosto 2013

Pergunta e resposta

Sempre  ouvi dizer que não devemos perguntar se não soubermos se gostamos da resposta.

Frequentemente olho-me ao espelho e pergunto à imagem reflectida "Quem és tu?".
Muitas das vezes não gosto da resposta.

Acho que é uma das questões que não deveria ser feita.

13 agosto 2013

Nota mental

Só podem ouvir música através de auscultadores....
Agora ISTO não me da cabeça e passei a manhã a cantá-la. 

video

Receio que o vá continuar a fazer.

11 agosto 2013

3 simples palavras

EU ADORO CALOR!

Um dia deste mudo-me para um país onde a temperatura seja sempre superior a 28º.

09 agosto 2013

Elogio

Ontem, disseram-me que eu era uma melómana.
Ah pois!
:)

08 agosto 2013

Mr. Darcy completa 200 anos e ainda é símbolo de sedução

"Quando Rita Hayworth surgiu nas telas de cinema, em 1946, vestindo um tomara que caia preto e cantando “Put the blame on Mame” enquanto sensualmente tirava as luvas, o mundo aprendeu que “nunca houve uma mulher como Gilda”. Colin Firth não precisou cantar na adaptação de “Orgulho e preconceito”, feita pela BBC em 1995. Um mergulho no lago e a camisa branca molhada foram suficientes para entendermos que, bem, nunca houve um homem como Mr. Darcy.

Fitzwilliam Darcy nasceu herói do romance “Orgulho e preconceito”, de 1813, o segundo publicado pela inglesa Jane Austen. Charmoso e muito rico, ele é inicialmente rejeitado pela mocinha Elizabeth Bennet, que o crê arrogante e esnobe. Isso até descobrir que Mr. Darcy é generoso, corajoso e muito apaixonado. Perto dele, o safadinho Christian Grey, de “Cinquenta tons de cinza”, é um homem absolutamente desinteressante. Além de ser muito, mas muito vulgar.
— Apesar de ser preconceituoso no início do romance, Darcy sempre foi muito educado. Mesmo não sendo bonito, ele se tornou um galã pelos modos e pelo recato. Mr. Darcy era um gentleman, e isso é raro hoje. Talvez exista alguém parecido com ele, mas eu não conheço — diz o editor Marcos Maynart, que já trouxe ao Brasil um galã quase à moda antiga, o cantor Julio Iglesias.
O livro de Jane Austen foi bem recebido de imediato na Inglaterra. No mesmo ano da publicação, ganhou versão para o francês, começando então uma trajetória internacional que resultou na venda, até hoje, de 20 milhões de cópias ao redor do mundo. “Orgulho e preconceito” virou peça de teatro, musical no West End londrino, série de TV, filme de Hollywood e ganhou até uma versão em Bollywood (“Bride and prejudice”, uma brincadeira com o título em inglês “Pride and prejudice”). A célebre adaptação da BBC foi o ponto alto da carreira de Mr. Darcy, que, além de Colin Firth, já foi interpretado por Laurence Olivier (1940) e Matthew McFayden (2005).
O sucesso da série de TV fez a imprensa britânica classificar o momento de “darcymania”. Colin Firth virou superstar, e Mr. Darcy virou referência pop. Nos últimos 20 anos, uma série de produtos fez crescer o valor do galã bicentenário como ícone da cultura pop. Uma dezena de livros duvidosos foi editada (“O diário de Mr. Darcy” e “Os 50 tons de Mr. Darcy” são alguns). Frases do personagem foram estampadas em camisetas e louças — a maioria das peças à venda no Jane Austen Centre, em Bath — em todos os continentes. Durante as Olimpíadas de Londres, no ano passado, a onda de reinterpretações da famosa campanha “Keep calm and carry on”, usada pelos britânicos na Segunda Guerra Mundial, viu nascer um “Keep calm and find Mr. Darcy”. Pode acreditar, muita gente trocaria o brilhantismo político de Churchill por um refúgio em Pemberley, a propriedade de Mr. Darcy no interior da Inglaterra.
Elas querem fidelidade
No cinema, Mr. Darcy é inspiração explícita. A comédia romântica “Mensagem para você”, de Nora Ephron, homenageia a obra de Jane Austen, com os personagens de Meg Ryan e Tom Hanks fazendo referências ao casal Elizabeth e Darcy. A escritora inglesa Helen Fielding admitiu ter se inspirado em Mr. Darcy para criar o par romântico de sua heroína no best-seller “O diário de Bridget Jones”. Sem pudor, o chamou de Mark Darcy. Na adaptação para o cinema, o papel foi interpretado por... Colin Firth! Mas Mr. Darcy não se tornou um ícone apenas pelos modos refinados ou por ser um homem imensamente apaixonado. Ele foi também capaz de provar o seu amor fazendo Elizabeth Bennet se sentir especial. Se no início do romance ele não quis dançar com Elizabeth porque a considerava “tolerável, mas não bela o suficiente para me tentar”, no decorrer da história Darcy admite ter mudado de visão, pede desculpas e tenta corrigir seus erros. Em segredo, ele ajuda a família da heroína. E por fim deixa de lado os próprios preconceitos e os da sociedade para ficar com ela. A antropóloga Mirian Goldenberg diz que ser considerada única vira a cabeça de qualquer mulher.
— O Mr. Darcy faz de tudo para que a Elizabeth acredite nele, mas sem se exibir. As mulheres que eu pesquiso dizem que desejam essa generosidade. Mesmo as bem-sucedidas querem um ato simbólico, uma demonstração do quanto são especiais para aquele homem. Elizabeth não é a mais bonita, nem a mais valorizada, mas ele só tem olhos para ela. Um homem que luta pela mulher amada é especial — explica Mirian, frisando que hoje muitas mulheres se sentem invisíveis com tanta concorrência. — O que as mulheres mais me dizem é que querem fidelidade. É quase uma prova de amor.
Homens como o Darcy até existem, mas são raros. Por isso, essa fantasia é tão valorizada. Mas a fantasia começa muito antes da prova de amor. O interesse mútuo aparece porque Mr. Darcy e Elizabeth percebem um no outro algo que não tinham visto até então no seu círculo social. Quando se encontram, parecem estar à procura de alguma coisa, mas sem saber o quê, como explica a psicanalista Mônica Donetto Guedes.
— Ficamos presos à ideia de que uma relação é construída verbalmente, mas Darcy e Elizabeth se percebem desde o primeiro encontro. Um não consegue tirar os olhos do outro. É uma troca de olhares muito sedutora, não é preciso dizer nada. Para Freud, o estranho tem sempre algo de familiar. Apesar das diferenças iniciais, os dois percebem que têm algo em comum, que mais tarde se revela.
Bonito, rico e honrado
Mr. Darcy não resiste aos olhos e à “vivacidade do espírito” de Elizabeth, como ele mesmo afirma no final do romance. E ela não consegue evitar amar o homem que tanto se esforçou para vê-la feliz. Marcella Virzi, designer da dupla Virzi+DeLuca, não conseguiu resistir ao personagem. É fã assumida do Mr. Darcy.
— Li o livro pela primeira vez aos 14 anos e já o reli umas 15 vezes. Darcy representa os ideais românticos. Ele é bonito, elegante, muito rico e honrado. Mas Jane Austen escreve de forma a nos permitir acompanhar a transformação das idealizações dos personagens em paixão real — diz a designer.
Não custa lembrar que coube a Mr. Darcy uma das mais famosas declarações de amor da literatura inglesa: “Em vão tenho lutado comigo mesmo, mas nada consegui. Meus sentimentos não podem ser reprimidos; preciso que me permita dizer-lhe que eu a admiro e amo ardentemente”.
E se alguém ainda precisa de motivo para amar Mr. Darcy, bem, há sempre Colin Firth e aquela camisa branca. "

Retirado de http://ela.oglobo.globo.com/vida/cultura-em-vida/mr-darcy-personagem-criado-por-jane-austen-completa-200-anos-ainda-simbolo-de-seducao-7791543

O que fazer quando...

... se explica a  mesma coisa uma dúzia de vezes - e eu estou a falar mesmo de DOZE vezes - e *ele* não consegue fazer o exercício?

...se explica pela 13.ª vez, *ele* nos diz "Ah! Não sabia. Já podia ter dito!"


Edvard Munch - O Grito (Skrik)

07 agosto 2013

you don't know what its like to love somebody

Uma das músicas que ouvi hoje a caminho do emprego, foi a clássica (fica melhor que antiga) "To love somebody" cantada pelo Michael Bolton.
Não é pela música que este estou a postar, mas sim porque dei por mim a pensar na responsabilidade que é ter alguém que nos ame. Independentemente se correspondemos esse amor ou não. Vejamos ambos os casos:

Se amamos e somos amados, de preferência pela mesma pessoa, é maravilhoso. É das melhores coisas do mundo. Temos a responsabilidade, a "obrigação" de proteger essa relação, de fazermos de tudo para que ela se mantenha vida e saudável e, sobretudo, que faça ambos felizes. Cuidar do outro é uma tarefa a tempo inteiro. Depois é só esperar que o outro faça o mesmo por nós. :)

E quando não correspondemos? Na maior parte, a culpa não é nossa. Simplesmente aconteceu. Às vezes nem sabemos que está a acontecer. Mas e quando nos dizem e nós não podemos dizer "eu sinto o mesmo por ti"?  Eu acredito que neste caso também temos algumas responsabilidades, principalmente quando o velho cliché "Eu também gosto de ti mas como amigo" é verdade. Nem que seja tentar fazer com que as coisas voltem à normalidade ou dar algum tempo e espaço...

Conclusão: levantar cedo deixa-me lamechas!

04 agosto 2013

Tudo o que é bom acaba depressa


Para o ano há mais.... espero eu!

12 julho 2013

Dancing like a manic

with this music....

And yes: she is very very sexy
(and i mean the brunette dancing)

07 julho 2013

5 em 5

Está a ser um fim de semana maravilhoso. Se não vejamos:
 - Com este calor, eu estou feliz da vida.
 - Na sexta-feira, dia 5, festejei o meu 10.º aniversário de casamento. Tarde muito bem passada, noite super romântica passada no Yeatman, com direito a jantar de degustação  e tudo, onde comi (provei?!) coisas que de outra forma nunca comeria, mas a ideia era mesmo essa. Quanto ao resto da noite, fica no segredo dos deuses. :)

 - Ontem, durante o dia, continuação do espírito just us2 in love, com direito a almoço com a minha comida preferida do momento. Ah! e ainda tive direito a ir às compras.
 - A noite, o regresso dos fantástico 4. As saudades dão direito a mimos extras para e dos meus pequenotes.
 - Hoje, praia boa (o que na minha escala não é fácil) e final de tarde na piscina com a família. 

Que mais posso pedir?





03 julho 2013

Perdidas numa agenda

Encontrei umas quadras entre as quais destaco:

"Eu amante e tu amante
Qual de nós será mais firme?
Eu como sol a buscar-te
Tu como sombra a fugir-me!"

O que me leva a algumas interrogações:
- São amantes um do outro?
- Se sim, porque foge ela/ele?
- Será um jogo?

Vim agora a descobrir que o original é de Francisco de Lacerda e é diferente do que eu encontrei:
"Eu sou sombra, tu és sol,
Qual de nós será mais firme?
Eu como a sombra a buscar-te,
Tu como o sol a fugir-me?"

As interrogações mantêm-se. Gosto mais da versão que conhecia.

21 junho 2013

Flores e perfumes

Hoje falava-se nos melhores presentes que se podem dar às namoradas, esposas ou alguém que se quer cortejar.
Responderam flores, jóias ou bijutaria, perfumes... serei a única a preferir livros? Há histórias bem românticas, outras bem interessantes que até podem aquecer o ambiente.

É impressão minha

Ou os condutores ficam mais simpáticos às sextas-feiras?


03 junho 2013

Isto anda tão mal...

Que a única coisa que se faz neste blog é receber "comentários" publicitários.
Tenho mesmo que dar a volta a isto.
oh faz favor, sai uma dose de inspiração para esta mesa, obrigados.

12 maio 2013

Ninguém merece

É domingo, são 8h00 da manhã e eu estou a trabalhar.
BAH!

02 maio 2013

Eu gosto mais das de 500....


"Na apresentação da nova nota, na segunda-feira, o governador do Banco  de Portugal disse que esta nota tem "elementos de segurança mais robustos"  para "prevenir tentativas de colocação em circulação de notas contrafeitas".

Na zona euro, em 2012, em cada milhão de notas de euro 33 eram contrafeitas,  uma redução face à média de 51 notas detectada em 2010.

A nova nota tem elementos distintivos da antiga. A marca de água e o  holograma incluem um retrato da figura mitológica grega Europa, que dá nome  à segunda série de notas de euro. Um elemento de segurança novo que se destaca  é o número cinco em verde esmeralda, o qual, dependendo do ângulo de observação,  muda de cor para azul-escuro.

Além disso, nas margens esquerda e direita da frente da nota, figuram  pequenas linhas impressas em relevo, destinadas a facilitar a identificação  das notas, especialmente por cegos e amblíopes.

Apesar do lançamento desta nova nota de cinco euros, não será preciso  trocar a nota antiga que continuará em circulação, sem perder o seu valor.  Essas notas serão retiradas de circulação gradualmente. "

Imagem e texto retirado de SICnotícias.

21 abril 2013

Feira do Livro no Porto

Li, na sexta-feira passada, que edição deste ano da Feira do Livro no Porto foi suspensa por "falta de condições financeiras". Entre a Câmara do Porto - a segunda maior cidade do país - e a APEL pelos vistos não se conseguem juntar verbas.
Eu fiquei triste, mas mesmo triste. Já tinha a minha (imensa) lista de compras preparada. :(

16 abril 2013

Não gosto...

Da nova música do PSY, "Gentleman M/V". A outra era divertida, mas esta não gosto. Não me dá vontade de cantar (óbvio!) nem de dançar.
Pronto, é a minha opinião.

13 abril 2013

Bruno Mars - Locked Out of Heaven


E lá estava eu na cozinha, AOS SALTOS, ao som do Bruno Mars.
Eu juro que um dia filmo e partilho. Que se dane a vergonha! :)
video

One, two, one, two, three

Oh yeah yeah
Oh yeah yeah yeah
Ooh!
Oh yeah yeah
Oh yeah yeah yeah
Ooh!

Never had much faith in love or miracles
Never wanna put my heart on the line
But swimming in your world is something spiritual
I'm gonna get every time you spank the night

Cause your sex takes me to paradise
Yeah your sex takes me to paradise
And it shows, yeah, yeah, yeah
Cause you make feel like, I've been locked out of heaven
For too long, for too long
Yeah you make feel like, I've been locked out of heaven
For too long, for too long

Oh yeah yeah yeah
Ooh!
Oh yeah yeah
Oh yeah yeah yeah
Ooh!

You bring me to my knees
You make me testify
You can make a sinner change his ways
Open up your gates cause I can't wait to see the light
And right there is where I wanna stay

Cause your sex takes me to paradise
Yeah your sex takes me to paradise
And it shows, yeah, yeah, yeah
Cause you make feel like, I've been locked out of heaven
For too long, for too long
Yeah you make feel like, I've been locked out of heaven
For too long, for too long

Oh oh oh oh, yeah, yeah, yeah
Can't I just stay here
Spend the rest of my days here
Oh oh oh oh, yeah, yeah, yeah
Can't I just stay here
Spend the rest of my days here

Cause you make feel like, I've been locked out of heaven
For too long, for too long
Yeah you make feel like, I've been locked out of heaven
For too long, for too long

Oh yeah yeah yeah
Ooh!
Oh yeah yeah
Oh yeah yeah yeah
Ooh!

06 abril 2013

I give ir a year - Dou-lhes um ano

"Apesar das suas diferenças, o escritor Josh e a ambiciosa Nat vivem delirantemente felizes desde que se conheceram numa festa. Josh é um sonhador, Nat é pragmática, mas a química entre eles é inegável. O seu casamento é um sonho tornado realidade, mas ninguém - nem família, nem amigos ou até o padre que os casou - acreditam que vai durar. A ex-namorada de Josh, Chloe, e o atraente novo cliente de Nat são duas alternativas sedutoras."

TRAILER



Este foi o filme que fomos ver ontem. Achei o trailler engraçado, com a situação do país a malta precisa é de comédias, que para ver dramas vemos o telejornal, e lá fomos nós.
QUE MISÉRIA! O final previsível é o menos mau do filme. Nem pelo irresistível Simon Baker vale a pena.
E o que mais me custa é saber que as oportunidades de ir ao cinema são poucas e uma delas foi gasta nisto....

05 abril 2013

Eu quero amar, amar perdidamente

"Às vezes pergunto-me se alguma vez amei alguém. Nessas alturas penso que nunca amei realmente, nem sequer a mim própria. Paixão sim, claro, também senti desejo muitas vezes e por várias pessoas. Mas amor?
Ou se calhar estou enganada. Amo e simplesmente não sei que isso é amor. Mas como saber? Como ter a certeza? Sei que o amor dos romances e dos filmes não acontece. Nada é sempre tão perfeito. Por isso têm tantas pessoas a ler e a ver, para sonhar que o delas também é assim. Eu não sonho isso. Eu não quero isso. Sou feliz com o que tenho e com o que (não) sinto. Mas queria saber, isso queria, a resposta à minha interrogação frequente."

em Pensamentos de uma mente diferente

30 março 2013

Boa Páscoa!

Feliz Páscoa para todos... mesmo para os que não acreditam.
:)

28 março 2013

Desculpas e mais desculpas

Se os meus pensamentos pudessem ser transferidos para aqui, este blogue andaria muito mais movimentado.
Durante o dia - e longe do computador - tenho mil e uma ideias para escrever mas depois ou esqueço-me ou acho que não tem (mesmo) nenhum interesse.
E com isto, anda para aqui o Franquia abandonado, apesar de todas as minhas intenções.

16 março 2013

Livros 2013

20.03.2013 - Juliette Benzoni - Na Cama dos Reis - Noites de Núpcias- ****
29.03.2013 - Georgette Heyer - Black Sheep - **
27.03.2013 - E.L.James - As Cinquenta Sombras Livre - *****
26.03.2013 - E.L.James - As Cinquenta Sombras Mais Negras - *****
25.03.2013 - E.L.James - As Cinquenta Sombras de Grey - *****
22.03.2013 - Eloisa James - O Beijo Encantado - ****
21.03.2013 - Madeline Hunter - O Sedutor - ***
16.03.2013 - Julia Quinn - Peripécias do Coração (Bridgertons, #2) - ***
15.03.2013 - Sophie Gee - O Escândalo da Temporada - ***
12.03.2013 - Jude Deveraux - Desejos do Coração - ***
09.03.2013 - Jude Deveraux - Perfume de Paixão - ***


26.02.2013 - Christian Jacq - O Grande Segredo (Os Mistérios de Osíris, #4) - ***
12.02.2013 - Christian Jacq - O Caminho de Fogo (Os Mistérios de Osíris, #3) - ***
10.02.2013 - Christian Jacq - A Conspiração do Mal (Os Mistérios de Osíris, #2) - ***

13.01.2013 - Kate Pearce - Escravos da Paixão - ***

10 fevereiro 2013

Demasiado moderno para mim

Há muito tempo que não vinha escrever aqui. Não por falta de tempo ou de ideias, mas simplesmente porque, durante todo este tempo, a preguiça falou mais alto.
Numa altura em que tomei várias resoluções, voltar a escrever é uma delas e por isso aqui estou eu novamente.

Nada melhor do que falar sobre música para (re)mexer o Franquia.
Estava eu a fazer zapping quando me deparo com o dueto Mariah Carey & Westlife a assassinar fazer uma versão da música Against all Odds. Independentemente da qualidade musical e eu gostar dos artistas, o que é demasiado moderno para mim é ela estar a cantar esta música para vários tipos. Chamem-me antiquada, mas duetos de amor é entre duas pessoas (já nem penso em homem/mulher).