Faltam...

Daisypath Happy Birthday tickers

30 setembro 2013

Outono

Não sou uma pessoa que goste do Outono.
Não sei o que vestir, a roupa de verão é fresca, a de Inverno, demasiado quente.
A chuva cai mas sinto-me desconfortável de botas.
Detesto começar a arrumar as roupas mais frescas e as sandálias.

Ainda falta muito para o Inverno?

25 setembro 2013

Ando tão cansada

Que até vou pensando em coisas fixes para escrever mas depois não me apetece.

21 setembro 2013

CONSELHOS AOS QUE NADA FAZEM

CONSELHOS AOS QUE NADA FAZEM:

1. Nunca o confessar.
2. Esperar pacientemente uma ordem e nunca a provocar.
3. Não chatear os que trabalham a valer e, principalmente, não lhes causar inveja.
4. Adoptar uma posição de repouso que dê a quem vê uma sensação de trabalho.
5. Permanecer  descontraído e suportar com fadiga aparente toda a inactividade por mais prolongada que seja.
6. Gostar do trabalho bem feito e por isso não hesitar em deixa-lo ás pessoas mais qualificadas.
7.Pode-se gostar do trabalho e preferir o repouso.
8. Não sofrer nenhum complexo de se apresentar ao tesoureiro após um mês sem trabalho.
9.Há muito mais acidentes de trabalho do que de repouso.
10. O trabalho gasta, o repouso raramente. Façamos economia.


Conclusão: O trabalho é uma coisa bela. Não sejas egoísta, deixa-o para os teus amigos....



20 setembro 2013

Hábitos sexuais (retirado do Baú)


Cada vez gosto mais deste Papa


Na sua primeira entrevista de fundo após seis meses como Papa, Francisco declara que a Igreja Católica se tornou “obcecada” com os temas do aborto, do casamento homossexual e da contracepção.


“Não podemos concentrar-nos só nestes temas. Não tenho falado muito sobre estes temas e por vezes isso tem-me sido apontado. Mas quando se fala destes assuntos, deve ser no devido contexto. Sabemos qual é a opinião da Igreja e eu sou um filho da Igreja, mas não é preciso continuarmos a falar disto assim.”

Estas palavras do Papa Francisco foram publicadas no jornal jesuíta italiano La Civiltà Cattolica e resultam de uma longa entrevista, de 29 páginas, realizada nos dias 19, 23 e 29 de Agosto, explica o site Vatican Insider, ligado ao jornal italiano La Stampa. Nela, o argentino Jorge Mario Bergoglio traça as prioridades da sua acção pastoral e revela alguns pormenores sobre si próprio. A entrevista, que é publicada em inglês pela revista America, dos jesuítas norte-americanos, foi revista pessoalmente pelo Papa, adianta o New York Times.

“Temos de encontrar um novo equilíbrio, se não o edifício moral da Igreja pode cair como um palácio de cartas”, disse Francisco. Os ministros da Igreja devem ter como primeira missão levar uma palavra de “misericórdia”, a mensagem de salvação de Jesus Cristo, sublinhou. “Proclamar o amor redentor de Deus é um dever prioritário, antes do dever moral e religioso. Mas hoje parece que muitas vezes acontece o contrário”, afirmou.

Deus sempre presente
O Papa falou abertamente da questão da homossexualidade – que tanta violência e polémica tem causado pelo mundo fora, por vezes incentivada pela própria Igreja Católica. Veja-se o caso da legalização do casamento gay em França, em que os bispos franceses e organizações católicas foram motores da contestação.

“Quando estava em Buenos Aires, recebi cartas de pessoas homossexuais que estavam ‘socialmente feridas’ porque me diziam que a Igreja sempre os tinha rejeitado. Mas essa não é a intenção da Igreja. No avião de regresso do Rio de Janeiro, disse: 'Se um gay procurar Deus, quem sou eu para o julgar.'” Reitera o Catecismo da Igreja Católica – que diz que as pessoas homossexuais são chamadas à castidade –, mas sublinha o primado da liberdade: “Deus deu-nos a liberdade quando nos criou: não é possível a interferência espiritual na vida pessoal de outra pessoa.”

As reformas não se fazem num abrir e fechar de olhos, sublinha. “Muitos pensam que a mudança e as reformas podem acontecer num período muito curto. Eu acredito que leva tempo a construir as fundações de uma mudança real e eficaz. E esta é a altura do discernimento. Às vezes o discernimento leva-nos a agir no imediato, quando inicialmente íamos deixar uma acção para mais tarde. Isto é o que me tem acontecido nos últimos meses”, confessou o Papa Francisco.

Não fala com apreço dos tradicionalistas. “A visão dos que procuram soluções disciplinares, que dão excessiva importância a resguardar a doutrina e estão obcecados em trazer de volta um passado que já lá vai é estática e regressiva”, afirma. A certeza que o orienta na sua acção, a sua “certeza dogmática”, é que “Deus está presente na vida de todas as pessoas, mesmo se essa vida tiver sido destruída por maus hábitos, por drogas ou seja o que for”.

Retirado integralmente do Jornal Público 19/9/2013

16 setembro 2013

Escuridão e claridade

 Escuridão e claridade

O ódio substitui o amor
O mundo ficou mais triste
A beleza perdeu a cor
A alegria já não existe.

O silencio deste momento
Quase chega ao infinito
Não consigo tirar-te do pensamento
Por isso eu choro, eu grito!

A minha alma é uma treva só
A luz, nascendo, logo se apaga
O medo da escuridão tira-me a voz.

A noite com toda a sua intensidade
Tudo consegue e com tudo acaba
E amaldiçoa a bela claridade!

Setembro 1994

13 setembro 2013

Dia Internacional do Chocolate

Segundo a Vanda Miranda, hoje é o Dia Internacional do Chocolate.
Procurei e não me apareceu nada. Mas que se lixe, um motivo para comer chocolate é sempre bom, nem que seja para aplacar a consciência.


Sexta-feira 13


12 setembro 2013

Lady na mesa, louca na cama

Este post poderia ser sobre mim. E é. Mas não é sobre eu ser ou não uma lady na mesa e uma louca na cama.
É sobre os 4 heróis das Manhãs da Comercial que resolveram partilhar a versão do Bruno Nogueira e da Manuela Azevedo da música do Marco Paulo, Taras e Manias, que será cantada (?) no "Deixem o Pimba em Paz"


Ora, se eu acho bem que os espectáculos portugueses sejam divulgados, já não gosto tanto que a porcaria da música se tenha entranhado e agora não pare de a ouvir dentro na minha cabeça.

"E mexe, remexe se encosta, se enrosca
Se abre se mostra pra mim
Me agarra, me morde, me arranha,
Não mude que eu quero você sempre assim"

11 setembro 2013

Ainda falta muito?

Só para saber....

11/9

Será possível que já se tenham passado 12 anos desde o ataque às Torres Gémeas e continue-se a falar disso? A verdade é que o acontecimento é lembrado porque foi nos EUA e toda a comunicação falou disso durante meses.

Mas alguém fala do que aconteceu às pessoas - e muitas igualmente inocentes às que tombaram no ataque - que morreram na saga "justiceira" perpetrada aos países que de uma forma directa ou indirecta vão contra os interesses americanos?

Mas alguém fala das pessoas (e são tantas) que morrem no Mundo por causa da guerra, da fome, das doenças?

Pois.....

10 setembro 2013

Cheating...

Imagem retirada de http://www.someecards.com

Facebook

Na semana passada, decidi fazer uma dieta de Facebook, que é como quem diz, passar duas semanas sem lá ir. Já passou uma.
Gosto mais da blogsfera do que do Facebook. Mas admito que tenho saudades de ler as fofocas lá, embora saiba que teria mais saudades de alguns blogues se parasse durante uma semana.



09 setembro 2013

Alguém me explique...

... porque é que alguns vídeos musicais do YouTube têm N comentários... e nenhum deles sobre a música, o(s) artista(s) ou sobre o vídeo?

Nem todos os finais podem ser felizes

"Era uma vez uma adolescente de 14 anos que podia ser qualquer outra adolescente. Mas não era. Ela não gostava das músicas que as suas amigas gostavam, não gostava dos rapazes da sua idade. Sentia-se muitas vezes deslocada. Não que isso fosse estranho durante a adolescência, mas cada um sente de uma forma diferente.

Foi então que ele apareceu. E apesar de no início ela não lhe achar piada nenhuma - ele tinha 19 anos, comportava-se como tivesse a idade dela - mas com a insistência dele foi-se aproximando. E um dia, depois de uma festa da escola, ele beijou-a. Ela ficou surpreendida e quando ele a largou, ela simplesmente virou-lhe costas, deixando-o sem saber o que fazer.
No dia seguinte, foi espera-la a casa para a acompanhar à escola e esclarecer. Disse que gostava mesmo dela e que já não sabia o que fazer para namorar com ela. Que o beijo lhe tinha tirado o sono e que ela era tudo o que ele queria, mesmo com  aquela diferença de idade. E foi assim que ela não lhe resistiu mais e
começaram um namoro que tinha tudo para dar certo.

Até um dia em que houve uma festa. Ele foi, mas ela não. Ele voltou diferente e ela reparou. Ela perguntou e ele confessou: tinha estado com uma miúda na dita festa.
Ela não gritou, não chorou, não fez uma cena. Ela, que era sempre tão emocional, estava tão calma como ele nunca a tinha visto. Não podia ser bom sinal. E não foi. Ela simplesmente disse-lhe "então fica com ela. Comigo não ficas mais." Foi-se embora e nunca mais lhe falou. Cruzaram-se várias vezes, ele tentou falar com ela, ela nunca deixou. Entretanto ele foi para a faculdade e ela continuou na escola.

Vários anos passaram. Foram precisos mais de três anos para voltar a confiar os sentimentos a alguém. E foi feliz. Mas teve que escolher entre o namoro e a universidade e ela nem pensou duas vezes: fez as malas e foi para o ensino superior.

Cinco anos depois recebeu um telefonema: era ele. Disse-lhe que nunca a tinha esquecido e que precisava dela. Que tinha feito muitas escolhas erradas e que agora queria voltar ao caminho certo, mas precisava dela. Que se matava se ela não o quisesse de volta.
Ela telefonou então à mãe dele e perguntou-lhe o que passava: ficou a saber que se tinha metido nas drogas, companhias duvidosas, que tinha perdido o emprego e que andava obcecado com ela porque achava que tudo lhe tinha corrido mal desde que tinha terminado o namoro.

Ela falou com ele. Disse-lhe que o ajudava de todas as formas mas não poderia voltar para ele. Ele disse que era tudo ou nada. Dois dias depois matou-se. Ela nunca se perdoou."

O dia perfeito seria


08 setembro 2013

Ódio

"Não, não te odeio, não odeio o amor,
Odeio-me a mim próprio por te amar;
Não odeio as flores que emanam o teu odor,
Odeio-me a mim próprio por as cheirar.

Não odeio a chuva que acaricia o teu rosto,
Odeio-me a mim próprio por a querer ser;
Não odeio o mel ciumento que copiou o teu gosto,
Odeio-me a mim próprio por, da tua boca, o querer beber.

Não odeio os teus olhos que me cegam de amor
Odeio-me a mim próprio por neles olhar
Não odeio os teus lábios de fogo sua cor
Odeio-me a mim próprio por tanto os querer beijar.

Mas de que vale eu odiar os meus sentimentos
Se sempre que te vejo o ódio se alia à paixão,
De que vale eu tentar afastar-te de meus pensamentos
Se apenas vive para ti o meu despedaçado coração."

Este poema não é meu, nem sei quem é o autor. Foi uma das poesias encontradas nas minhas agendas.

Hello Kitty

Não sou fã da gatinha, mas tolero.
Não tenho nada dela,mas já comprei várias coisas para várias meninas pequeninas da HK (não confundir com Hell'S Kitchen).
Mas hoje vi o expoente da loucura: uma mulher de 40 e muitos, com uma Hello Kitty tatuada no anteraço direito, ainda por cima era um desenho mal feito.
Só pensei "A sério?!

06 setembro 2013

Carta aos condóminos


(Atenção, eu não sou a destinatária da carta, juro!)

03 setembro 2013

Sei que estou a bater no ceguinho mas não consigo parar

E por esse motivo o Franquia continua.