Faltam...

Daisypath Happy Birthday tickers

14 fevereiro 2011

Bem piroso e lamechas como o amor deve ser



Não há coincidências

(…) A verdade nunca é exacta, que cada realidade encerra em si mesma tantas verdades quantas as pessoas nela envolvidas.
(…) o amor é mesmo assim: absoluto, estúpido e tudo menos sensato.
(…) Sou uma guerreira, o amor é a minha arma. O meu coração é o meu escudo, avanço sem lança nem capacete, caio e levanto-me as vezes que for preciso, mas não paro nunca. A não ser que o caminho se feche.
(…) Quando sonhamos muito, corremos o risco de deixar de viver neste mundo, passamos para outra dimensão e não raras vezes transportamos connosco aqueles que amamos. E aquilo com que sonhamos, passa a ser o nosso desejo e é em função disso que respiramos, vivemos, adormecemos e acordamos.
(…) Nada nem ninguém é impune diante dos seus próprios erros. Acabamos sempre por pagá-los de uma forma ou de outra. Talvez não sintas tudo à flor da pele como eu, que sou toda feita de coração, nem sei porque é que Deus me deu miolos, nunca os uso para as coisas mais importantes da vida.
(…) tudo começa e acaba nos afectos, que o mundo é feito de coisas tão simples e grandiosas como o sexo, o amor, o ódio, a raiva e a saudade e que são os instintos mais básicos que fazem o mundo andar, sempre com conflito e luta, sempre e ainda com vontade. (…) quando se ama perdoa-se tudo. Não se esquece nada, mas perdoa-se tudo.
(…) Cada vez mais acredito que amar é dar e tudo o que não é dado, perde-se. E que a amizade é talvez a mais bela forma de amor, porque é gratuita e intemporal, não precisa de promessas nem de carne, não se desfaz com zangas nem se desvirtua com o tempo.

Margarida Rebelo Pinto