Faltam...

Daisypath Happy Birthday tickers

17 março 2006

Injustiças divinas

Ao ver um video sobre a ADRIANA LIMA, apercebi-me mais uma vez das injustiças divinas que andam por aí. Reparem bem na menina. Acham justo que ela seja gira, jeitosa e fotogénica? E depois há aquelas que são giras, jeitosas, fotogénicas e ainda são inteligentes (não sei se a Adriana está incluída neste lote, mas aposto que sim). E ainda há aquelas que são giras, jeitosas, fotogénicas, inteligentes e com boa voz! Estas últimas, para mim, são o cúmulo da desigualdade.

Eu, quando canto no chuveiro, a água arrefece. Em termos de fotogenia, tenho uma foto minimamente decente em cada 500 – ver o meu álbum de casamento foi uma tortura!!! Quanto à beleza e “jeitosice”, nem vale a pena tecer comentários… Decididamente, não é justo. Ao menos UMA qualidade! Não é pedir muito, pois não? E não me venham com o cliché “o que importa é a beleza interior”!

Não menosprezando a beleza interior, acho até que é realmente muito importante, a beleza interior só se conhece com o tempo ou se tiver beleza exterior. Alguma vez ouviram alguém dizer “vou falar com aquele/a porque me parece que tenha uma grande beleza interior”? Pois, também me parecia que não!

É claro que a sorte de muitas mulheres que é que pode não se ser uma top model e mesmo assim ser-se atraente. E até pode-se ser menos atraente que o desejável e ser-se sensual. Acho que, no fundo, é tudo uma questão de atitude da própria pessoa. E esta é mesmo daquelas vezes em que eu espero ter razão!

14 março 2006

Anjinho ou diabinha?

Desde o início do ano que quero ser um anjinho. Quero, no fundo, ter uma mente mais inocente, um comportamento mais generoso. Ou seja, para eu ser mais angelical preciso de uma dieta mental muito rigorosa. Nunca pensei que a maioria das pessoas que sabem desta resolução duvidasse que eu consiga e - pior ainda! - acham a minha decisão errada! Preferem que eu continue a ser uma diabinha (no sentido simpático do termo).

Como diz um amigo meu, "Se quem fala contigo está principalmente interessado no lado mais malicioso, o lado anjinho pode ser aborrecido. Não quer dizer que, quando controlo o meu lado malicioso, não me interesse pelo anjinho.”. Esta frase levantou uma questão pertinente: Será que os anjos são aborrecidos? Se eu fosse um anjo, seria aborrecida? Se eu não sou um anjo, serei interessante?

A minha forma de ser já me deu alegrias, mas também me deu grandes dissabores e, pior do que isso, fez com que eu magoasse pessoas que me eram muito queridas. Provavelmente, este desejo de ser um anjo não é mais do que uma forma de exprimir a mudança que eu quero realizar. O meu receio é que o meu "novo eu" seja pior que o "eu actual". Não conheço ninguém que seja perfeito. Eu sei que nunca vou atingir a perfeição mas, mesmo assim, pergunto-me: será que ser perfeito é melhor do que ter muitos defeitos? Será que a perfeição total não é um defeito igualmente mau? Será que eu me obrigar a ser diferente do que eu sou não será um "pecado" muito maior do que os meus maiores pecados?

Não sei. Continuo como "diabinha" ou esforço-me para ser um "anjinho"? Enquanto não me decido, deixo-vos com este texto de um autor desconhecido:

"Quero ser um anjo. Quero ser útil. Quero ser diferente. Quero explicações. Quero fazer o bem. Quero viver eternamente. Quero voar. Quero sentir. Quero estar. Quero ser. Quero ser Eu. Não quero muita coisa. Não quero fazer mal. Não quero magoar. Não quero entristecer. Não quero viver na ilusão. Não quero sofrer. Não quero nada. Sou uma mente confusa...uma autêntica tempestade dentro da minha cabeça. Aqui isolada, a querer atenção quando ninguém me pode dar. Eu. Estúpida. Egoísta. Não dá. Quero ser Eu mas não posso ser Eu. Ou melhor eu consigo ser eu mas não é o eu que eu gosto. Anjo. Palavra linda. Palavra que não sou. Gostaria de agir como tal, ser perfeita., Ter a espantosa essência do equilíbrio. Na eterna paz. A ataraxia. Ser de algum modo útil. Não me estar constantemente a repetir como estou a fazer neste momento. Quero gritar. Quero que alguém me ouça!! Ninguém me ouve. Estou a sufocar aos poucos com a ilusão de que este sufocamento às vezes pára. Porque é que não é tudo como antes? Porquê? Há sempre alguma alteração em algo. Algo que muda o rumo da minha vida, do meu caminho. Algo que muda o final da minha história. Poder controlar. Alterar algo pelo menos uma vez na vida. Pôr as coisas como estavam. Como elas devem estar. Quero ser um anjo."

12 março 2006

Tentativas Literárias

Quem diz que arrumar não é uma tarefa recompensadora, não sabe do que fala. Sempre que arrumo as minhas coisas, além do prazer que é ver tudo no seu sítio, encontro sempre coisas antigas que me fazem sorrir. Desta vez, forma duas historias que eu comecei a escrever com base em sonhos que eu tive e que tentei romancear.

O sorriso que dei não se deve à qualidade do texto – são tão boas que até um romance da Harlequim é melhor. Foi mesmo pelo que significam: eu simplesmente não consigo desistir da ideia que um dia vou conseguir escrever qualquer coisa de jeito. Prosa ou poesia, eu continuo com as minhas tentativas literárias.

99% das folhas em que escrevo são um desperdício de papel, mesmo que eu escreva em papel de rascunho, e têm todas o mesmo destino: o balde do lixo. Estas duas, porém, escaparam não sei como. Decerto não foi pela sua beleza, muito menos pela originalidade da história. Se calhar foi porque se nota uma certa preocupação com os factos. Os nomes das terras, dos títulos dos personagens e até algumas descrições paisagísticas demonstram claramente que tive que fazer alguma investigação. Teria sido por isso? Sinceramente, já não me lembro. O que é certo é que, desta vez, não as vou deitar fora. Se aguentaram intactas até aqui, merecem um lugar no meu “baú”. Quem sabe se um dia, não as termino e não dão um romance decente?


[C., deves-te lembrar de um deles… Juan, Maria, Laura, Lorena, Beatriz e Diego dizem-te alguma coisa? Espero que sim, um deles foste tu quem me ajudou a escolher… ;)]